HOME  
 
   
Obesidade aumenta risco de complicações da nova gripe, alertam especialistas - 09/07/2009

    A obesidade é um fator de risco para complicações clínicas da gripe A (H1N1) – popularmente conhecida como gripe suína –, apontou um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês). Segundo o órgão, o número de obesos é mais alto entre os casos graves da doença no país. Além disso, pessoas com doenças cardíacas, deficiências imunológicas e diabetes também correm mais risco, se contaminadas.

    O CDC analisou pacientes hospitalizados com a gripe A na Califórnia durante o mês de maio, e concluiu que a obesidade está entre os fatores que aumentam as chances de os infectados apresentarem complicações médicas mais graves. A epidemiologista responsável pelo estudo, Anne Shuchat, declarou ao jornal Washington Post que ficou surpresa com a quantidade de pacientes obesos entre o número dos casos de gripe A considerados graves.

    "A prevalência dessa patologia está sendo notada especialmente entre estudantes e pessoas jovens. Quando esses pacientes são bem nutridos e previamente saudáveis, a doença costuma evoluir de forma benigna, com a evolução clínica bastante semelhante às gripes que todos conhecemos", explica o médico nutrólogo Nataniel Viuniski, da Associação Brasileira de Nutrologia. "A obesidade é um grave fator de risco tanto para a saúde individual como para a saúde pública", completa.

    O CDC já havia associado a gravidez ao aumento do risco de complicações clínicas pela gripe A. Estudos que acompanharam gestantes com a nova gripe concluíram que elas têm um risco elevado para complicações sérias, particularmente no período final da gestação.

    A explicação fisiológica para esse maior risco é que, com o crescimento fetal, o fundo do útero comprime as bases pulmonares. E essa compressão resulta em dificuldades de inspirar profundamente e de tossir de forma a eliminar as secreções brônquicas. Além disso, o crescimento do útero bloqueia o retorno venoso, alterando a circulação sanguínea no tórax por compressão na veia cava inferior.

    Segundo Nataniel Viuniski, é bem pertinente especular que as mesmas alterações possam ocorrer em indivíduos com excesso de gordura intra-abdominal. "Somados às outras complicações médicas que esses pacientes apresentam, como a síndrome metabólica, doenças cardiovasculares e apneia do sono, todas acabam concorrendo para que as pessoas obesas figurem no grupo de risco elevado para gripe H1N1", conclui o médico.

Fonte: Barcelona Soluções Corporativas/Associação Brasileira de Nutrologia.
 
Destaques

 Obesidade
 
 Relação entre Tireóide e
 Obesidade e muito mais.

 Endócrino-Age
 
 Conheça melhor o
 conceito Endócrino-Age.

 Tireóide
 
 Saiba mais sobre
 Tireóide "A Terrorista".

 Teste do pézinho
 
 O Teste do pézinho pode
 salvar vidas. Saiba Mais.

Copyright 2008 - Todos os direitos reservados